TORTA CREMOSA DE CHOCOLATE

Torta_Cremosa_ChocolateA receita é fácil e rápida, como a gente gosta. Anote aí:

. 300 g de chocolate meio amargo picado
. 3/4 – ou 1 xícara quase cheia – (chá) de manteiga
. 1 colher de sopa bem cheia de essência de baunilha
. 1 pitada de sal
. 3/4 – ou 1 xícara quase cheia – (chá) de açúcar
. 6 gemas
. 6 claras
. 1/4 de xícara (chá) de farinha de trigo


>> Derreta o chocolate com a manteiga em banho-maria, mexendo até obter um creme. Deixe esfriar — uns 15 min — e junte a baunilha, o sal e seis colheres (sopa) do açúcar. Adicione as gemas, uma a uma, misturando bem a cada adição, até ficar homogêneo. Junte a farinha e misture.

Torta_cremosa_02Na batedeira, deixe as claras em neve, juntando o açúcar restante, sem parar de bater, sempre aos poucos e até obter picos firmes. Junte 2 colheres de sopa das claras batidas ao creme de chocolate e misture com uma espátula. Acrescente as claras restantes e misture com cuidado. Coloque em forma untada (prefira a de aro removível) ou forma comum forrada com papel manteiga e asse por 40 minutos em forno pré aquecido.

Desenforme e sirva com a calda que é super rápida de preparar.


Junte em uma panela:
.1 xicara de chocolate meio amargo picado (ou 6 colheres de sopa de chocolate em pó)
.1 xícara de leite
Quando dissolver, acrescente:
.1 caixinha de creme de leite gelado

Dica: Se preferir substitua a calda de chocolate por um chantilly bem gelado, ou sirva a torta acompanhada por ambos, como eu fiz!


Conheça também os cardápios “Dia a dia + Light” da Letti Gastronomia Artesanal e acompanhe-nos do FB.

Pavlova Descomplicada — e a culpa é do Creme Brulée

Quando penso em fazer um prato que ainda não fiz, tenho a mania de pesquisar um sem número de receitas e, muitas vezes, pego uma parte de cada uma, e monto uma inteira que tenha mais a minha cara, sempre priorizando a praticidade. Assim eu fiz com esta Pavlova, que eu já tinha provado em alguns lugares mas ela sempre me parecia ou doce ou delicada demais.

Mas, eis que o inverno chegou e minha cozinha teve uma avalanche de pedidos de Creme Brulee, que leva gema e baunilha como se não houvesse amanhã. E o que fazer com as claras? Sim, o Bolo dos Anjos e o velho e bom Pudim de Claras sempre são boas opções mas…

Pavlova

Em homenagem à bailarina russa Anna Pavlova, esta Torta é crocante por fora, macia por dentro, e é tradicional no Natal da Austrália e Nova Zelândia.

Que tal uma Pavlova?
Foi aí que nas minhas andanças investigatórias, descobri primeiro a mini Pavlova — que muito me agradou — e depois, encontrei uma feita igualzinha à mini, só que em tamanho giga e o melhor: não parecia tão doce. Fui pra cozinha sem medo porque claras sobrando e um pouco de açúcar não são propriamente um desperdício, né!? O resultado ficou excelente (modéstia à parte) especialmente pra uma primeira vez. E foi incrivelmente fácil. Então, chega de papo e vamos à receita?!

Separe:
6 claras
1/2 limão
250g de açúcar confeiteiro — preste atenção: precisa ser o confeiteiro!
Forma revestida com papel manteiga

Batedeira em punho, espume ligeiramente as claras. É bem ligeiramente mesmo porque antes de começar a trabalhar esse suspiro, pingue umas 8 gotas de limão (eu usei o siciliano mas pode ser o que você tem em casa). Bata até ficar mais firme e então comece a colocar, aos poucos e de-va-gar!, o açúcar Confeiteiro. Bata sem pressa, até ficar em ponto de suspiro — que é quando a massa está tão firme e não cai mais do batedor.

Pegue uma espátula e faça um circulo (em forma revestida com papel manteiga) do tamanho de um prato grande, e ‘trabalhe’ este disco fazendo uma borda mais alta pra que, no meio dele, se faça uma depressão (onde vai o creme).
Coloque no forno pré aquecido na temperatura mínima. A maioria das receitas que eu li, pediam 150 graus, mas eu usei 180 que é o mínimo do meu forno a gás. O suspiro vai ficar assando por 1h +ou-dependendo do forno. Fique de olho: estará pronto quando ficar douradão por fora, como na foto.

Eu poderia ter feito dois discos grandes, como manda o protocolo mas, preferi fazer as mini pavlovas pra testar e juntar as duas receitas num único efeito. Foi o que fiz: igualzinho ao disco grande só que em mini circulos na forma revestida com papel manteiga, preparei 6 ‘pavlovinhas’. Esta forma, coloquei na grade de cima do forno e retirei uns 20 minutos antes da anterior com o disco grande. Coloque as formas em um local mais aquecido da cozinha pra que esfriem gradualmente.

Daí fui bater o creme no liquidificador com:
1 caixa de creme de leite
1 copo de iogurte natural sem açúcar
6 a 7 colheres de sopa de suco de maracujá concentrado
Açúcar a gosto. Coloquei o mínimo possível — fui provando — pra contrastar com o doce do suspiro.
Leve pra gelar.

Para montar:
Coloque o creme gelado no meio do disco grande. Sobre ele, disponha as mini pavlovas e preencha todas elas com o creme. Decore com muito morango, e frutinhas vermelhas, meio “jogadas”, assim mesmo, sem muita simetria. Eu usei jabuticaba que deu um efeito legal e um azedinho gostoso. Você também pode fazer uma calda de maracujá ou de frutas vermelhas e colocar por cima de tudo, pra finalizar. Decore com as folhinhas do morango ou com hortelã se você preferir.

E chame os amigos pra dividir a sobremesa. Ela rende que é uma beleza e seu sabor é infinitamente melhor quando servida no mesmo dia, sem precisar de geladeira.

Celebrando a Vida!

O Brinde!Rosangela, Edelza e Laura Helena. Três amigas que moram em Lagoa Vermelha, no interior do Rio Grande do Sul e uma vez ao mês se reúnem para comemorar a vida – o que já está de bom tamanho, segundo Rosangela, que abriu a casa para este jantar. E entre uma troca de ideia e uma boa taça de vinho, elas preparam e degustam pratos anteriormente pesquisados, fugindo do trivial, mas sempre respeitando o sabor inconfundível “daquele” tempero, que a gente quer sempre saber qual é ou de onde vem. Quando eu soube dessa ‘confraria’, através das fotos maravilhosas que vi, corri atrás das receitas dessas mulheres bem humoradas e talentosas que adoram cozinhar e estão sempre pesquisando novos sabores. Sorte nossa!

Para este jantar de Julho/14, o Menú foi o seguinte:

Entrada
::. Folhado de Queijo Brie com Compota de Cebola Roxa
::. Creme de Cenoura e Cominho
[Para servir com Mojito]

Prato Principal:
::. Taginee de Cordeiro com Cuscuz Marroquino
[Para acompanhar:  um bom Malbec]

Sobremesa:
::. Tarteletes com curd de Limão siciliano e Chantily
[Para servir com chá de folhas frescas de capim-limão e de hortelã]

***

Preparando o Folhado de BrieFolhado de Brie com Compota de Cebola Roxa
1 pacote de Massa folhada pronta (você encontra na seção de congelados do supermercado)
1 pedaço (generoso) de queijo brie
>> Com um aro redondo – ou a boca de uma xícara de chá – corte a massa folhada congelada pronta e leve para assar conforme as instruções da embalagem/marca. Faça furos na massa com um garfo para que cresça uniforme. Depois de assada deixe esfriar e reserve.

Folhado de Brie com Compota de Cebola

Folhado de Brie com Compota de Cebola

Compota de cebola roxa: (Conserva até 6 semanas na geladeira)
1 kg de cebola roxa
3 colheres de sopa de óleo girassol
250 ml de vinho tinto
50 ml de vinagre balsâmico
3 xíc de açúcar mascavo
2 folhas de louro
Pimenta do reino moída na hora – a gosto
>> Pique bem a cebola e refogue no óleo até amaciar. Junte o vinho, vinagre, açúcar, louro e a pimenta. Deixe ferver, baixe o fogo e cozinhe por 1 hora — ou mais — até  evaporar o líquido. Deixar esfriar.

Montagem: Coloque um pedaço de brie sobre cada folhado e leve ao forno pré-aquecido 250C até amolecer o queijo. Retire do forno e acrescente a compota. Para finalizar, meia noz ( tostada na frigideira).


Creme de Cenoura e Cominho

Creme de Cenoura

Creme de Cenoura

1 Kg de cenoura, descascada e cortada em pedaços graúdos
340 gr de cebola em pedaços
3 colheres de azeite de alho
Sal, pimenta do Reno moída na hora
1 colher de chá de cominho moído na hora
1,5 litro de caldo de legumes
1 xícara de creme de leite fresco
Brotos/croutons e/ou salsinha para decorar
>> Pré aqueça o forno. Numa assadeira coloque as cenouras, cebola, o azeite, sal, pimenta, cominho e misture bem. Asse por 30 min ou até a que a cenoura fique macia. Passe tudo para o processador ou liquidificador e acrescente o caldo de legumes.Transfira para uma panela e acrescente o creme de leite e, leve ao fogo médio para ferver e reduzir um pouco. Servir com brotos ou, croutons ou, salsinha picada.

Taginee de Cordeiro com Cuscuz
1kg de carne de quarto de cordeiro novo cortado em cubos
1,7 litro de caldo de carne
300gr de cebola picada
1 dente de alho picado
100ml de azeite de oliva
5gr de sal
13gr de gengibre ralado
4gr de cúrcuma
1gr de pimenta preta moída
1gr de pimenta branca moída
3 fibras de açafrão
1 canela em pau
250gr de cuscuz marroquino

cpilandoRas-El-Hanout [mistura de especiarias, típica da culinária do Magrebe. O nome significa “o máximo da minha cozinha”]
1gr de noz moscada
0,5 gr de macis (casca da semente da noz mosacada)
2gr de cardamomo – 5 sementes
3gr de cominho – semente
2gr de all spice
2gr de cravo da índia
2gr de anis estrelado
2gr de canela em pau
1gr de pimenta branca
5gr de cúrcuma
3gr de galanga em pó
0,2gr de pétalas de rosa seca
Colocar todos os temperos para aquecer em uma frigideira por 1 minuto e logo após pilar (socar)

Como fazer: Passar os cubos de carne numa mistura feita com sal, gengibre, cúrcuma, pimentas e o Ras-El-Hanout. Em uma tajine ou panela larga, aquecer o azeite, adicionar as cebolas, o alho, a canela em pau e as fibras de açafrão, deitar a carne e dourar em fogo médio por 15 min, mexendo ocasionalmente. Acrescentar o caldo de carne aos poucos e manter a fervura baixa, com a panela tampada por cerca de uma hora. Quando a carne estiver cozida, retirar os cubos com a ajuda de uma escumadeira e reduzir o molho até engrossar. Para servir: dispor o cuscuz, os cubos de carne e o molho, ervas picadas opcionais (coentro ou salsinha).

Preparo do cuscuz marroquino:
Adicione 300ml de caldo de carne fervente e 10ml de azeite ao cuscuz marroquino, cubra e deixe absorvendo o líquido por cerca de 5 minutos. Separe os grãos com ajuda de um garfo. (sal a gosto)

Tarteletes ao Curd de Limão Siciliano

Tarteletes ao Curd de Limão Siciliano

Tarteletes ao Curd de limão siciliano e chantily
Massa sable:
Coloque no processador até virar uma ‘bola’:
250gr de farinha
100gr de açúcar
1-2 gemas
150gr de manteiga gelada
>> Retire do processador, amasse com a mão rapidamente, até dar liga; embrulhe em papel filme e leve para gelar por 60 min. Após este tempo, abrir e forrar as forminhas de tartelet. Forno a 180C por 15 minutos ou até dourar.

Curd de Limão Siciliano:
90gr de manteiga
100ml de suco de limão (2 unid.)
220gr de açúcar
2 ovos
1 colher de sopa de raspas da casca do limão
>> Em uma vasilha refratária em banho-maria, coloque a manteiga para derreter. Junte progressivamente as raspas, o suco, o açúcar e mexa até que fique transparente. Adicione os ovos e continue mexendo até que o creme engrosse (de 6 a 9 min, no máximo) Não deixe ferver para não talhar. Reserve.

Recheie as mini-tarteletes com o curd de limão e o chantily caseiro ou industrial.

****
Os devidos e merecidos créditos:
Rosangela Nezello preparou as entradas e a sobremesa.
Edelza Casarin elaborou o cordeiro e o cuscus
Laura Helena foi a fotógrafa neste jantar

O jantar de Agosto, que elas prometeram nos enviar as receitas, será da Cheff Laura Helena, a ‘Bugra’ que acolherá as amigas em sua casa vai preparar um Bacalhau com creme cheese americano servido com batatas assadas e tomilho. Hmmm…

 

Pão de Batata Doce

Feriado e a temperatura de outono nos convidam para um café fresquinho e bem acompanhado. Este “Pão de Batata Doce” é muito fácil de preparar, cresce bem, sem demora e fica muito Pão de Batata Docegostoso. Nesta versão usamos aveia em flocos finos e sementes de linhaça misturados à farinha de trigo mas, você pode substituir estes dois ingredientes por farinha integral ou por outros que você goste (chia, farelo de trigo, gérmen de trigo, quinoa, por ex). Vamos à receita? Você vai precisar de: 2 xícaras de batata-doce já cozida, espremida — morna pra fria 1 colher de sopa bem cheia de manteiga em temperatura ambiente 1 envelope de fermento biológico seco 100 ml de água 1 ovo inteiro 1 colher de chá de sal 1 xícara de leite morno 100 g de aveia em flocos finos 1 colher de sopa de linhaça dourada 500 g de farinha de trigo Misture o fermento com a água numa bacia de boca larga e reserve. Enquanto isso, no liquidificador, bata o ovo, o sal, a batata doce e o leite, até que se forme um creme grosso. Coloque esta mistura na bacia do fermento e junte a aveia e a linhaça. Vá acrescentando a farinha de trigo sempre aos poucos, de início com uma colher e depois sovando até que a massa desgrude das mãos. Passe a manteiga por toda a massa, sove mais um pouco e deixe descansando até dobrar de volume. Depois deste tempo — mais ou menos 1 hora — faça 2 ou 3 os pães, coloque em assadeira untada, polvilhe farinha sobre eles e faça alguns cortes diagonais. Deixe crescer novamente — de 40 minutos a 1 hora. Asse em forno médio, pré aquecido por, aproximadamente, 50 minutos ou até que dourem. E bom apetite!

Mousse Nevada com Cobertura de Chocolate

Mousse Nevada

Mousse Nevada com Cobertura de Chocolate

Adriano — ou Dodô, como costumamos chamá-lo — é amigo de infância da minha Marina. Cresceram meio juntos, estudando na mesma escola e a afinidade, bem como o contato entre nossas famílias, sempre foi constante. Dodô é divertido, querido, educado e um chocólatra assumido. Sempre que eu pergunto o que gostaria de comer, ele pede um “udigrudi, tia” — entenda udigrudi como um Fudge. De chocolate, óbvio. Mas, no verão carioca, preparar um Fudge que não mele em dois segundos depois de tirar da geladeira é quase um milagre, e eu sempre fico em dívida com o Dodô, mesmo preparando bolos ou brownies que ele devora sem cerimônia.

Dia desses, batendo um papo ligeiro aqui na rua com a Ana, mãe de Dodô, descobri que para aplacar os ânimos chocólatras dos netos, a Dona Aglaé prepara uma Mousse Nevada para comer de joelhos. Sabendo disso, tratei logo de ligar pra pedir a receita – que testei no dia seguinte. Não foi surpresa descobrir que a Mousse — com cobertura de chocolate, obviamente — sumiu da geladeira em menos de 24 horas.

Anote aí como preparar rapidamente esta ‘Mousse Dodô com Cobertura Óbvia’:
(que eu alterei só um cadinho pra menos doce)

1. Na batedeira deixe 06 claras em neve e junte 6 colheres de sopa de açúcar
2. Derreta 5 folhas de gelatina s/ sabor (ou 1 pacotinho, se for em pó) em 1/2 xic de leite quente e adicione às claras batidas sem desligar a batedeira
3. Acrescente 1 lata de creme de leite bem gelado (s/soro)

Coloque na geladeira e espere que fique consistente — umas 6 horas

Então, numa panela, prepare a cobertura até que fique cremosa:
1/2 xícara de leite
1 colher de sopa de manteiga
400gr de chocolate em pó — usei meio amargo
3 colheres de sopa de açúcar (opcional)

Espere esfriar e coloque sobre o creme nevado já gelado. Deixe gelar mais umas 2 ou 3 horas.

Antes de servir, pensei em salpicar lascas de chocolate em barra — feitas na parte grossa do ralador ou raspe com uma faca — mas não deu nem tempo!

Quando estiver saboreando essa Mousse, tenho certeza que você vai querer mandar um beijo pra Dona Aglaé, avó do Dodô, porque além de fácil é simplesmente uma delíciaaaa!

Brunch (Tortinhas com Bacon)

Tortinhas com bacon (Brunch)

Tortinhas com bacon (Brunch)

Que tal um Brunch neste domingo?

Uma grande amiga me contou que sua mãe lhe repassou uma dica importantíssima pra se virar em qualquer tempo na cozinha: ter sempre bacon e ovos na geladeira. Pois eu, que sempre evitei bacon justamente por gostar demais da sua gordice crocante, mudei drasticamente de ideia depois que degustei esta tortinha prática e saborosíssima que você pode testar hoje ainda – se tiver os ingredientes na sua geladeira, claro. Ou pode programar pra preparar no domingo e fazer tipo brunch – aquele café da manhã tardio que se junta com o horário de almoço, sabe?

Pra preparar 6 tortinhas (que não servirão exatamente 6 pessoas porque ninguém se contenta com uma), você vai precisar de:

*6 forminhas de muffin/cupcake OU 6 ramequins (aqueles potinhos de cerâmica que vão ao forno) OU uma assadeira de tamanho médio/pequeno – a que você tiver em casa, redonda, retangular, tefal ou vidro refratário. |.
*6 fatias de bacon
*3 ovos
*1/2 caixinha de creme de leite – acrescente algumas gotas de limão
*1 colher (sopa) de cebolinha picada (opcional)
*2 tomates fatiados (12 fatias)
*Molho de tomate (o melhor que você puder encontrar)
*Sal e pimenta-do-reino
*Manteiga para untar
*Queijo Parmesão para gratinar (opcional)

Antes de qualquer coisa, preaqueça seu forno a 180ºC (mais ou menos). Unte as forminhas com manteiga e forre as bordas de cada uma com 1 fatia de bacon. No fundo de cada forminha, acomode uma fatia de tomate, e, por cima, acrescente uma colherada rasa de molho de tomate.

Com um garfo, bata ligeiramente os ovos com o creme de leite e a cebolinha, tempere com sal e pimenta e divida igualmente entre as forminhas. Cubra com as fatias de tomate restantes e, se preferir, polvilhe um pouco de queijo parmesão. Leve ao forno preaquecido por 20 minutos, até que cresçam e dourem – a ideia é que fiquem crocantes por dentro.

Espere que esfriem por uns 5 minutos, solte as bordas com uma faca sem ponta e retire das forminhas. Sirva quente ou frio.

Para acompanhar sua Tortinha, um pãozinho quentinho da padaria da esquina ou torradinhas que você tenha no armário cai super bem. Até com cream cracker esta tortinha não perde seu charme. E o melhor: ela vai bem com café, refrigerante, suco, espumante, vinho branco e até cerveja.

Você optou por usar uma forma de tamanho médio para toda a receita? Sem problemas! É o mesmo procedimento: untar + bacon na borda + tomate no fundo + creme ao meio + tomate por cima. E, se quiser desenformar, espere esfriar um pouco mais.

Se você já tem prática na cozinha vai preparar esta tortinha num instante. Senão, aventure-se sem medo: meu enteado Vinícius, quem me apresentou esta receita deliciosa, embora se vire muitíssimo bem porque gosta de cozinhar, tem apenas 14 anos. Portanto, pode apostar! E depois, me conta!